2.12.10

Hoje foi um daqueles dias que me veio à memória o que costumávamos passar. Lembrei-me daquela vez em que falámos da morte, da morte uma da outra e lembro-me de te dizer que quem me dera a mim ir primeiro que tu, assim não sofria a dor da tua perda, fiquei-me a sentir egoísta, porque sentirias tu a dor da minha. Lembro-me daquela vez em que andávamos as duas a chapinar nas pocinhas, naquele dia frio e de chuva, lembro-me de teres visto uma poça grande e de teres dito "anda Lú, esta é nossa!", lembro-me que fiquei feliz e lembro-me também daquela vez em que quase morríamos afogadas, tentei ajudar-te, mas não consegui e começamos a chorar agarradas uma à outra quando nos vimos fora daquele inferno.
Tínhamo-nos sempre uma à outra e por mais que eu te odeie e por mais que tenha sido tudo uma farsa, são momentos como estes que passámos que fazem ter uma mínima esperança, que foi tudo verdadeiro. Eu queria que nunca nos tivéssemos abandonado, apesar de tudo eu amava-te eras tudo para mim, tudo. Pensei que fosses mesmo minha amiga, amiga de verdade, e que podia contar contigo fosse no que fosse, mas não foi bem assim. Acabou a farsa e a tua máscara caiu. Foste falsa comigo e sei que se leres este texto não vais compreender ao início, mas prometo-te que um dia, quando isto tudo passar, um dia, pergunta-me e eu conto-te, porque neste momento nem te consigo ver à frente.
Conseguiste formar um ódio insuportável no meu coração que nem é bom, nem é bom.
Aquelas nossas promessas de futuro não se concretizarão, e eu já nem penso no futuro. Agora o que aparecer, eu agarro, mas não vou correr atrás. Sei que de um jeito ou de outro, aparecerá uma coisa boa, mesmo boa na minha vida, para além das que tenho agora.
E como toda a gente que é "trocada", deves-te estar a perguntar "o que é que a Xana tem, que eu não tenho?", a Xana tem-me a mim e tem coração, um coração de verdade, não desses arranjados como o teu e ela completa-me. Contigo sentia que me faltava sempre algo, mas ficava bem com isso.
Só espero que não me odeies, porque não é bom sentir o que sinto. Eu não sinto a tua falta, e nem eu acredito, mas a verdade é que não a sinto. Foste o que foste, és o que és e eu estou bem com isso.

9 comentários:

Sinceridade é o único requisito