8.2.11

Oásis - III

Estava sentado numa mesa, rodeado de raparigas e com os amigos dele sentados ao lado. Estavam a rir-se muito alto.
Mal o Samuel me viu, levantou-se da mesa e veio-me falar e o Simão veio atrás. 
Samuel: Por aqui?
Eu: Não vês?
Samuel: Esse teu mau humor tem uma certa piada (riu-se)
Eu: A sério? É que esse teu ar de garanhão e de engraçadinho, não tem piada nenhuma (gargalhei)
Samuel: És assim, sempre tão amorosa?
Eu: Já não sabes (ahah)
O Simão puxou-o para trás, sussurrou-lhe outra vez ao ouvido, enquanto me olhava fixamente. Estava-me a sentir intimidada. Ele assusta-me um bocado. A Sofia também me puxou e disse:
Conheces o rapaz? 
Eu: Sim, fiquei na mesa com ele. Infelizmente.
Sofia: É mesmo giro. Apresenta-me.
Eu: É na paz. De qualquer maneira não me chama a atenção.
o Samuel veio ao meu encontro:
Olha o Simão, quer-te conhecer melhor.
Eu: Outra vez arroz? Já disse que tínhamos tempo.
Samuel: Ok, mas podias falar mais com ele.
Eu: Eu falo, pronto. Olha, esta é a minha amiga Sofia (Cheguei-a para a beira dele.) Ela queria-te conhecer, diz que és bonito.
Samuel: Olá Sofia. (Deu-lhe dois beijinhos, agarrou-a pela mão e levou-a para dançar)
Eu e a Filipa ficámos a olhar uma para a outra a rir-mo-nos. Entretanto o Simão interveio:
Queres dançar?
Eu: Hum, não sei. Não queria deixar a Filipa sozinha.
Simão: Isso não tem problema. (Acenou ao André que veio ao nosso encontro e ficou a fazer-lhe companhia).
Começou a dar daquelas músicas românticas que é para dançar agarradinho. E eu pensei para mim "que raio de bar é este?". O Samuel encostou a Sofia a ele e o Simão ficou atrapalhado sem saber o que fazer. Cheguei-me a ele e disse:
Não tenhas vergonha rapaz, por mim é na boa.
O Simão sorriu meio envergonhado e disse: É que eu não costumo falar assim com qualquer uma. Eu não quero que penses que me estou a fazer a ti ou algo do género é que te achei mesmo interessante e queria-te conhecer melhor. 
Eu agarrei-o e começámos a dançar. O Samuel não parava de nos observar, senti que ele se sentia desconfortável com aquela situação e eu fiz-lhe caretas. A Sofia afastou a cara do ombro dele, olhou-lhe nos olhos e beijaram-se. Nesse momento empurrei o Simão para trás e saí da pista de dança.
O Simão puxou-me pelo braço e disse: Que se passa?
Eu: Nada, vou só buscar uma bebida.
Simão: Eu vou contigo.
Eu: Não, fica aí. Volto já.
O Simão ficou um bocado desanimado. O samuel deu-se conta da situação e veio ter comigo ao bar.
Samuel: Que foi?
Eu: Nada.
Samuel: Vi que ficaste um bocado incomodada com o beijo que a Sofia me deu.
Eu: LOOOOOOL, deves pensar que o mundo gira à tua volta. Tens mesmo a mania, metes-me nojo.
Samuel: Adoro quando ficas irritada.
Eu: Cala-te. 
A verdade é que fiquei irritada, mas porquê? Ele é um atrasado e rapazes assim, não são para mim.
Instalou-se um silêncio entre nós, e eu virei costas.

Continua...

5 comentários:

Sinceridade é o único requisito