2.8.11

Amo-te, M

Por uma lado sinto-me a mulher mais cheia e completa do mundo, e por outro a mais vazia. O meu coração está rompido por uma uma dor tão grande que quase me mata. Onde andas tu? Que me fazes sentir assim, "sozinha". Onde estão as tuas crenças estranhas, os teus acontecimentos mirabolantes, as tuas sábias palavras? Onde estás tu? Repito- Onde estás tu? Sinto a tua falta. Ups, caiu-me uma lágrima e agora não param de cair. Parece que possuo mais água que o próprio Mississipi (ainda dizem que temos de a poupar). Onde andas tu? Talvez deitada na cama, enfiada na varanda ou num comboio com destino à tua felicidade. Tornaste-te numa borboleta, o teu casulo já abriu à algum tempo e tenho-te a dizer que tens umas belas asas, mas que só agora entendi que gostas de voar para além do teu ninho. Lamento não ter notícias tuas à alguns dias, como gostaria, mas sei que quando precisares vens recorrer a mim e eu estarei de braços abertos, pronta a receber o turbilhão de frases que explodirem da tua boca e nunca te esqueças, que quando precisaste eu fui a correr, mesmo a chover. Cuida de ti, cuida das tuas asas Melhor Amiga.

2 comentários:

Sinceridade é o único requisito