4.12.10

Natal e saudades do meu estendal

Tenho andado a precisar de um tempo comigo própria, preciso de estar sozinha. Acho que o "terraço" tem sentido a minha falta, é o meu sítio favorito, mas já não tenho posto lá os pés desde o verão. Que saudades que eu tenho dele, vou ver se vou lá um dia destes, quando arranjar tempo para mim, para ele, para nós. Ele é uma imagem na minha cabeça, levei as pessoas que tiveram mais relevo na minha vida, apenas essas e lá tenho das melhores memórias que possa algum dia a vir a ter.
Preciso de pensar no que fazer daqui a diante. Vem ai o ano novo, a passagem de ano, o dia das promessas e tenho de pensar muito bem no que vou prometer para o próximo ano, porque tem de ser diferente. O que prometer vou cumprir, juro mesmo!
Sou feliz, mas às vezes sinto-me perdida por não ter ambições, não sei o que quero do futuro, mas ainda só tenho 17 anos, ainda vou a tempo de descobrir não é? É que já ouvi dizer que a vida começa aos quarenta. Vou bem a tempo. Mesmo assim queria descobrir algo mais sobre mim, queria descobrir coisas antes que alguém as descobrisse, porque quem melhor que eu para me conhecer? Nem a minha mãe, ou a minha melhor amiga.
Talvez ainda não tenha encontrado o meu caminho no mundo que há lá fora, mas quero ver se descubro antes que seja tarde de mais. Eu quero ter um futuro, quero crescer bem com isso. Não sei se me quero casar, mas quero ter filhos. Quero ter a minha mãe, o meu pai, a minha avó, até o meu irmão quero ter comigo, dá para acreditar?
Lamento, mas ao contrário do resto do mundo, não gosto do Natal. Não é a pior altura do ano, mas a mim não me aquece, nem me arrefece. Só gosto duma coisa: das belas rabanadas da minha mãe.
Quero ver se vou aquecer as minhas mãos e dar atenção ao Tico, ele não pára de miar e já começa a dar cabo de mim.

3 comentários:

Sinceridade é o único requisito