19.3.11

Oásis - VI

Ficamos em silêncio alguns instantes. O Samuel fixava-me com aqueles olhos enormes. 
Eu: Anda, vamos dar uma volta. (agarrei-o pelo mão, o som do bar abafava a minha voz)
Samuel: São 4h da manhã, onde queres ir? (Berrou-me ao ouvido)
Eu: Calma, não sou surda. Passear.
Samuel: A esta hora?
Eu: Sim, vamos. (comecei a andar, puxando-o comigo)
Samuel: Espera. Queres ir dar uma volta comigo, às 4h da manhã? Ainda para mais, sozinha comigo.
Eu: Sim, isso mesmo. 
Samuel: Muito estranho.
Eu: Cala-te e vem. (sorri)
Samuel: Conheces isto?
Eu: Não. Vamos por ai. Apetece-me andar.
Deixamos a mota  no parque de estacionamento. O silêncio voltou a instalar-se entre nós. Estava frio e eu esfregava as mãos nos braços.
Samuel: Queres o meu casaco?
Eu: Senão for pedir muito.
Ele posou o casaco sobre os meus ombros, e enrolou os braços à minha volta.
Samuel: Espero não estar a abusar.
Eu: Viste-me a queixar?
Samuel: Hey, sempre de pé atrás comigo. Respira um pouco.
Eu: Fazes perguntas desnecessárias.
Entretanto fomos ter a uma praia. Ele sentou-se na areia e eu deitei-me nas pernas dele. O sol estava a nascer, fechei os olhos e...

Continua...

15 comentários:

Sinceridade é o único requisito