3.7.12

VI

Passaram-se meses, meses sem eu saber nada a cerca do Miguel, meio ano mais concretamente. Questionava-me todos os dias sobre como estaria a correr a vida dele na América, se ele estaria bem.
A minha vida andava uma autêntica porcaria, não tinha vontade para fazer absolutamente nada. Eu gostava dele, muito aliás, mais do que de mim própria, por isso é que eu andava um caco desde que ele me deixou. A Ana andava muito preocupada comigo, uma preocupação um bocado exagerada na minha opinião, eu jamais pensaria em suicídio ou algo do género, mas de facto é que eu nunca estive assim, e ela melhor que ninguém sabia disso.
Passei muitas horas agarrada ao telemóvel, à espera que um milagre se desse e que o Miguel se decidisse a dizer-me alguma coisa, mas nunca isso aconteceu.
Querem saber o que aconteceu a seguir? Acordei numa manhã, como se me tivesse transformado numa pessoa totalmente diferente. Acordei disposta a lutar pelo amor dele, porque não valia a pena estar a sofrer em silêncio, sem lhe dizer a falta que ele me fazia. Sim, ele foi-se embora, mas em certa parte eu deixei sem nada fazer, e em parte a culpa foi minha, desconfiei dele.
No dia seguinte, vesti um vestido que ele adorava, pus um perfume que ele me tinha oferecido no dia de São Valentim, calcei umas sandálias e saí a correr para o aeroporto. O meu cabelo esvoaçava, e sentia o meu perfume nele.

(continua...)

2 comentários:

  1. Olá... Desculpa a publicidade, mas ando a realizar um concurso amador no meu blog, apenas quero ajudar a divulgar ótimos blogs que encontro todos os dias, mas que são pouco ou nada reconhecidos. Queria saber se queres participar nesse pequeno concurso amigável.
    Antes de pensares que não, que é uma perda de tempo, que nunca ganhas nada, e ignorares esta publicidade, peço-te para ires ler como funciona o concurso, deixo-te aqui o link e fica nas tuas mãos.
    Link: http://marianaaduarte.blogspot.pt/p/um-concurso-amador.html

    Espero que não ignores este concurso, é uma boa oportunidade para o teu talento ser reconhecido. Beijinho, Mariana Duarte.

    ResponderEliminar

Sinceridade é o único requisito