5.6.15

Mil amores e uma cidade II

Passaram-se dias, e a verdade é que o Vicente tinha ficado no pensamento da Ana. Aquele esbarrar de ombros fez com que as coisas parecessem andar em câmara lenta, percebem? Como se o mundo tivesse parado naquela fracção de segundos e fizesse desaparecer as pessoas, o ruído dos carros, até a própria Avenida dos Aliados. São factos estranhos, que uma vez por outra nos acontecem na vida.
Hoje a Ana ia sair com uma amiga, passear até à baixa, beber um café numa esplanada da Ribeira, observar o belo rio Douro numa maravilhosa noite portuense. Chegada à noite, assim foi.
Mal sabia ela, mal sabia ele, que a ironia do destino os juntaria de novo, ao mesmo tempo, no mesmo espaço. Influências lunares, diria eu.
(continua...)

7 comentários:

  1. Gostei tanto do que escreveste...
    Mas escapou-me algo aqui: Isto é ficção ou realidade? Acabei por ficar na duvida.
    Fotografia lindíssima.
    Beijos.
    http://mariacrescida.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. A história está cada vez mais interessante.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Bom qdo isso acontece, caminhos diferentes se encontram nos cruzamos da vida, e o que tiver que ser sempre será.
    bjokas =)

    ResponderEliminar
  4. às vezes as coisas estão mesmo destinadas a ser assim, adorei o texto !
    with love, CAT ♥

    ResponderEliminar

Sinceridade é o único requisito