29.7.12

Sala de espera

Começo a ver os giras-sóis lá ao fundo, é sinal de que já está quase de manhã, certo? Se não for fingimos que sim, que a noite passou rápido. Passou rápido? estranho. Os dias têm durado eternidades. Mas eu espero, esperar tornou-se tão absoluto como respirar. A vida tornou-se assim numa sala de espera. Pálida e vazia, com as paredes feias. Os vidros da recepção embaciados de tantas respirações coladas. Pilhas e pilhas de capas documentais, presenças da espera. A mais recente e assídua tenho sido eu. A minha espera tem nome, e é o teu. Tenho saudades dos teus pés estranhos, e dos teus olhos fundos. O meu coração espera o teu. Os meus ouvidos esperam a tua voz. Os meus lábios o teu beijo. O meu olhar a tua forma. O meu corpo, o teu desejo. Liberta-te desse peso tão grande que assumiste, e vem ser livre comigo. Vem ser feliz.
Espero por ti, meu amor, por ti.

9 comentários:

  1. Passa se algo entre ti e o teu namorado? S=

    ResponderEliminar
  2. verdade amor... e olha, sp aqui!!

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigada, mesmo. Oh, e é ridículo agradeceres-me, quando é a única coisa que posso fazer-te!
    És um amor.
    E este teu texto está lindo <3

    ResponderEliminar
  4. Oh, não tens de quê!
    E somos as duas, pronto <3

    ResponderEliminar
  5. sim, por isso e que estou a perguntar ;S

    ResponderEliminar

Sinceridade é o único requisito